sexta-feira, 28 de junho de 2013

COMO NASCEU O CORAL DO B.N.U. - LEIRIA

Neste projecto, pretendo contar a história viva de um Coral que nasceu em 14 de Janeiro de 1987, na linda cidade do Lis e a razão de ser tão especial…
É que este coral “nasceu” no seio de uma Instituição Bancária e numa pequena cidade chamada Leiria!






Na época, costumavam fazer-se grandes festas de Natal para as famílias dos empregados, onde depois da refeição, se confraternizava - cantando, dançando e terminando a mesma, com uma oferta aos filhos dos empregados que tivessem até 12 anos de idade. 

  No Banco Nacional Ultramarino, onde eu trabalhava, havia várias pessoas que gostavam muito de cantar e que tinham boas vozes. E o principal de tudo é que, havia um colega que até era músico. Assim todos os anos, quando o grupo se reunia para cantar, principalmente canções de Natal, o referido colega sempre nos dizia “não é por falta de maestro que não têm um coral”. Façam circular uma lista para inscrições dos interessados e faremos um coral a sério, disse-nos na festa de Dezembro de 1986.
No início de Janeiro, passou pela secretária de cada um de nós uma lista onde se lia:

“Inscrições para se formar um Coral”.
 
- O Coral do B.N.U. - Leiria
 
Encabeçava essa lista um dos gerente da Agência, o Sr. Adriano Lopes dos Santos, por isso teve logo mais adesão… Depois do colega e maestro, Joaquim Vicente Narciso verificar o número dos inscritos, telefonou às esposas de alguns colegas que sabia terem boas vozes, para virem fazer parte desta nova família que nascia
 
- A família do coral do B.N.U. - Leiria!

E os ensaios começaram por naipes, à hora do almoço, de Segunda a Quinta-feira e na Sexta,  em conjunto. Os empregados inscritos, levavam umas sandes, comiam em 15 minutos e os restantes 45 minutos seguintes, eram passados no sótão das instalações do Banco, onde se realizavam os ensaios. Passados cerca de um ano, passámos a ensaiar à noite (a quatro vozes) todas as Quintas- feiras, pelas 21h00, nas instalações do próprio Banco.

E o 1º concerto-  deu-se no Sport Operário da Marinha Grande a 05.12.1987, seguindo-se outros no Centro Comercial D. Dinis, no Mercado Santana , etc, etc.
A farda das senhoras nessa época, era constituída por uma saia preta, blusa branca e um lenço regional bem colorido ao ombro. Tão simples, como o coral!


No ano seguinte, começou-se a pensar em "voos" mais altos...
 
A direcção do coral eleita na altura, constituída pelos colegas Maria Teresa Vaz e António Luís de Carvalho, meteram mãos à obra para, junto da nossa Sede em Lisboa, conseguirem autorização "oficial" para se fazerem ensaios à noite, usar o telefone do Banco para contactos, a impressora para tirar fotocópias das partituras, enviar cartas do Coral pelo correio interno do Banco, etc, etc...



Mais tarde, a "dor de cabeça" da colega Mª.Teresa Vaz, para a escolha da linda "farda" para o nosso Coral, com as senhoras usando as cores da nossa grande Instituição que era o B.N.U. ou seja,
o Banco Nacional Ultramarino!

IDAS DO CORAL AO ESTRANGEIRO



Em 23.04.1994 foi a nossa primeira saída por terras espanholas nomeadamente a Móstoles- Madrid em retribuição e permuta com o Coral daquela localidade, através da sua directora Irene Villamiel.


- Elisa e Irene Villamiel, no castelo de Leiria.








Em 08.06.2002- Voltámos a Móstoles para cantar na Ermida daquela localidade.










Depois no ano 2000,  viajámos até Santander, para um Festival de coros em Comillas.
Fomos surpreendidos com a beleza daquela zona e a hospitalidade daquela gente.
Uma viagem que nos ficou na memória bem como a amizade, até aos nossos dias, com a Maestrina Margarita Canno.




 Esq./Genialda, Madalena, maestrina Margarita, Dina e Elisa.












 À direita, o grupo na Universidade de Comillas.








- Uma saída que marcou para sempre "as nossas vidas", foi a digressão à Itália em
19 Junho de 2006.
 Partimos de Leiria, para participarmos no:
- 6º Festival Internacional de Alta Pustéria (a norte da Itália).











À esquerda, a Dina Fonseca, com um traje regional
e a Bandeira dos S. Sociais da C.G.D.



Cantar ao ar livre, no meio de montanhas e paisagens fabulosas, deu uma certa "magia" e encanto a quem participou neste Festival.

Mas o que mais nos deleitou, foi o participar na "Grande Parada", onde todos os Corais, vestidos a rigor com as suas bandeiras e dos seus países,  em S. Cândido, cantando canções pelas ruas fora, calorosamente acolhidos pelos milhares de turistas presentes.
Para representar melhor a nossa região, alguns de nós, fomos vestidos com trajos emprestados pelo Rancho Folclórico da Costa, Maceira.
 Depois deste grande desfile, terminámos numa grande praça onde todos os corais presentes, formámos um grande Coro, cantando "Vá Pensiero", ou o "coro dos escravos Hebreus" -  ópera de Nabuco, de Verdi.

Emoções fortes foram sentidas em cada um de nós, ao ponto de , nunca mais termos esquecido um tal acontecimento!



Já em Junho de 2005, fomos convidados a participar no Festival de Coros do Município de Saint Maur de Fossés - França. Aproveitámos esta oportunidade para fazer uma digressão pela Holanda e Bélgica, onde tivemos alguns concertos também.



Ainda um outro Festival que recordamos com saudade:

- 1º Festival Internacional "Li Casteli Encantáti" -  em Roma


Tivemos concertos em Nemi, Castelgondolfo e Frascati, nos arredores de Roma (a cidade eterna).
Ficámos hospedados no Park Hotel Vila Ferrata - Grottaferrata, que a todos encantou.
Foi sublime quando, no Museu de Nemi, cerca de 1000 coralistas, cantaram o AVE MARIA de Grounod!
Beleza e encanto, foi o que não faltou! 



No dia 23 de Abril de 2015 -  Partimos de Leiria, pelas 6h30 com destino a Madrid. onde já não íamos, há vários anos.  Visitámos "La Alberca", aldeia medieval, que achámos muito interessante.


No dia 25 de Abril, Sábado-  fomos até Aranjuez, onde visitámos o grande Palácio e seus jardins. Ao final da tarde (19h30), participámos na Missa vespertina na Igreja do Convento da Ordem de Calatrava,   Foi a  nossa amiga Irene Villamiel, directora do Coral de Móstoles, que conseguiu a permissão para este lindo acontecimento.

Que bom podermos cantar no coro daquela bela Igreja  e com o maestro a tocar o órgão. Os nossos acompanhantes disseram-nos, que a acústica era maravilhosa e que encantámos!


E na hora do jantar, cantámos os Parabéns à companheira Genialda de Sousa, por mais um aniversário natalício. Ela ficou muito comovida, por termos levado um bolo e vela para o efeito. A alegria da amizade, é o que mais nos toca nestes momentos...
E no dia 26 - Domingo, foi o regresso a Portugal, com visita à bela cidade de Toledo.
Mais uns momentos de sã camaradagem e de muita alegria.














FESTIVAIS AFONSO LOPES VIEIRA


O nosso maestro "sonhava", fazer todos os anos um Festival Internacional, inserido nas festas da cidade de Leiria, ou seja em Maio, com o nome do grande poeta Leiriense: 
 Afonso Lopes Vieira!
Dado que ele é muito criativo, resolveu pegar em diversas poesias do poeta e musicá-las.
Posso dizer que temos lindas músicas da sua criação...




- O 1º Festival realizou-se a 16 de Maio de 2003 com o coral de Móstoles - Madrid.











- A 18.05.2004 - foi o 2º Festival, com o coral "Airinhos da Capela"- de La Coruna-Espanha.  
- A 14.05.2005-  foi 3º. - no Auditório do Mercado Santana, com os Corais Cramol - Canto Tradicional de Mulheres -Lisboa e do  Coral "Pena Labra" da Cantábria - Santander. 
- A 20.05.2006 - com os Corais "Calçada Romana de Alqueidão da Serra" e o Coral "La Encina de Mata de S.Felice de Buelna - Espanha. De realçar a "nossa" solista, Dina  Malheiros da Fonseca a declamar: "PINHAL DO REI" (poema de Afonso Lopes Veira e música do nosso maestro), como tão bem ela sabe fazer. 


Agora vou referenciar os dois últimos festivais, por terem sido os mais relevantes.


- A 17.05.2008- - VI Festival - no Teatro Miguel Franco, com o Grupo de Tunos de Leiria e o Coral Espanhol "Voces de Alfoz", quando no final cantámos  "Cantar dos Búzios" tendo como solista a Genialda de Sousa e os nossos músicos:  ao órgão, Joaquim Narciso - o maestro; à viola:  o Joaquim Pereira de Sousa, o António Nazário e José Torres Gomes, que mereceram do público uma calorosa salva de palmas.
Quero referir que até nos "arrepiamos" quando cantámos:


 Refrão:
Nos búzios cantam aléns
Do mar que chora a cantar
Ó mar que choras cantando
Eu choro e estou a cantar"...























- E o último Festival aconteceu a 02.05.2009:


Foi a "estreia" do nosso "novo visual", agora pago pelos Serviços Sociais da C.G.D.
As senhoras estavam muito elegantes com os seus lindos fatos, (saia e casaco) com as cores da nossa nova Instituição: casaco azul, blusa nos tons de azul e verde e uma flor de cor verde na lapela do casaco.
Os corais tinham como tema obrigatório cantarem o nosso poeta "Afonso Lopes Vieira".

Estiveram presentes o Coral Trítono de Évora que nos encantou com as suas vozes tão melodiosas.
O "Cantábilis", apenas cantou o "nosso poeta" com músicas do maestro Joaquim Narciso. Tivemos assim três estreias:
"Dança do vento", Violas de Alcácer"  e em conjunto com a filarmónica Juvenil "Fanfarra dos Marrazes", tendo ao piano o maestro-  Amadeu de Oliveira e os solistas Jacinta de Oliveira e Octávio Martins, numa peça intitulada:
- "Batalha de  Alcácer Quibir" que fazia "estremecer" a plateia!
Mas a grande apoteose, deu-se no final quando todos em palco cantámos e encantámos com o nosso ex-líbris":
"Cantar dos Búzios", acompanhados pela Orquestra Juvenil "Retales", do Conservatório de Santander, com a orquestração do seu maestro: "Javiel Canduela".




Agora o "nosso" Cantar os Búzios, terão um novo encanto, porque... orquestrado!




Um espectáculo que ficará também, para sempre, nas nossas memórias...



Obrigada maestro, por esta música tão bela!

ALTERAÇÃO DO NOME E OUTROS PROJECTOS!

Com a passagem do B.N.U. para a Caixa Geral de Depósitos em 2001 e a aquisição do Coral, por parte dos  Serviços Sociais,  decidiu-se alterar a designação do mesmo e passámos a chamar-nos:








No entanto as "grandes" dificuldades iriam surgir em Abril de 2005, com o encerramento da Agência Rotunda Santana (antigo B.N.U.), onde nós efectuávamos os ensaios e onde tínhamos o nosso espólio (conforme foto abaixo). 



Só em Maio de 2006 e depois de muitas cartas e várias idas a Lisboa, por parte de elementos da Direcção do Coral e do maestro, conseguíamos permissão para os ensaios, numa sala dos Serviços Sociais da Caixa, na Praça Goa, Damão e Diu.


Já tínhamos um longo percurso e um nome que prestigiava a Instituição que servíamos.
A direcção do Coral não desanimou e "lutou", com afinco, pela continuidade do mesmo.

Assim, outros projectos surgiram na vida do nosso coral.

O nosso maestro Narciso, "meteu" mãos à obra e conseguiu que em 24.01.2004,  a Câmara Municipal de Leiria, fizesse o lançamento do maior cancioneiro de Portugal:  "Entre Mar e Serra da Alta Estremadura", com recolhas do professor José Ribeiro de Sousa e que ele "pacientemente", ordenou, catalisou e "trabalhou" todas as músicas para quatro vozes.


- É em 14 de Maio de 2005 que lançámos, um duplo CD com o título: 
- Percursos.



Um CD, contendo apenas, música da região de Leiria.
O outro, de variados estilos e épocas.
Também foi concebida uma nova e bonita pasta, para inserir as partituras, aquando as nossas actuações em público.


Mais tarde, para dar "vida" ao referido Cancioneiro, foi criado o chamado:

- "Teatro das cantigas", com uso de trajes regionais, vários instrumentos e recurso ao "teatro" ao qual aderiram alguns elementos do coro.

Como havia quem quisesse aprender viola e cavaquinho, o maestro decidiu arranjar quem os ensaiasse e dar oportunidade ao "sonho" de alguns de nós.



quarta-feira, 1 de maio de 2013

CANTAR AS JANEIRAS!



A 5.01.2007 e a convite da gerência da Agência da C.G.D. fomos em conjunto, o Coral e "as cantigas", cantar as Janeiras nas instalações da CGD na Praça Goa Damão e Diu.
Clientes e empregados, desfrutaram por momentos da tradição das Janeiras que a todos encantou, principalmente quando "apareceram"  três colegas vestidos de  Reis Magos, com as  simbólicas "ofertas", para depositar ao balcão da Caixa.

Uma iniciativa que se vem repetindo a partir daquele ano.
E para recordar vou transcrever um original, cantado por nós , 
da autoria do nosso Maestro:

DAS BANDAS DO ORIENTE


Das bandas do Oriente

Em cortejo imperial
Montados nos seus camelos
Com seus tesouros de invejar
Aqui estão os "três Reis" confiantes!

Montados nos seus camelos

Do Oriente estão a chegar!
E aqui estão os "três Reis", como clientes!

Montados nos seus camelo

Com seus tesoiros de invejar!
Baltazar, Belchior e Gaspar.

Montados nos seus camelos

Com seus tesouros de invejar...
Aqui vêm seus tesoiros depositar!

TAMBÉM NÓS AQUI ESTAMOS

NA CAIXA A FESTEJAR
QUEREMOS AOS SEUS CLIENTES
E AOS FUNCIONÁRIOS
OS "REIS" CANTAR!

Ou ainda....


ESTA CASA É BEM ALTA

(adapção com letra apropriada)

        Refrão


Esta casa é bem alta

Toda caiada por fora
Que ninguém lhe faça mal
E viva quem nela mora

Os clientes da Caixa
Podem dormir descansados
Que todos os seus haveres
Estão bem acautelados

Muita prudência e juízo

Seja pessoa avisada
Ponha o dinheiros na Caixa
Durma sempre descansada

Gostamos de estar ligados

A esta Instituição
Viva esta Caixa Geral
E sua Administração!





















video










Em cima- Janeiras de 2011

Janeiras no Shopping de Leiria!
(com fotos do colega João Loureiro)  
No dia  O4.01.2014


Fomos Cantar as Janeiras ao LEIRIA SHOPPING.:


Começámos no Piso 0,  (junto à grande árvore de Natal) com três números próprios da época Natalícia, que ainda se vivia.
Após essa intervenção, subimos ao Piso 1, para junto da Restauração, termos alguns momentos alusivos às Janeiras.
Para recordar, transcrevo apenas duas quadras feitas para a ocasião:

SE É BRANCO OU É PRETO
ISSO É INDIFERENTE
POIS O QUE MAIS LHES IMPORTA
É CONTAR COM O CONTINENTE!

SE É DIA OU É NOITE
ISSO É INDIFERENTE
POIS O QUE MAIS LHES IMPORTA
É CONTAR COM O CONTINENTE!













6 de Janeiro de 2015!

Mais uma vez o nosso coral foi cantar as Janeiras à Caixa Geral de Depósitos, bem como à
Câmara Municipal de Leiria.

E  deixo abaixo, dois pequenos filmes, para recordação...

video
video











E ainda...uma foto com a Gerência da CGD:




















E  em baixo, uma foto com o Presidente da Câmara (Sr. Raul de  Castro),
o vereador do pelouro da  cultura e alguns colaboradores.